Coluna | Prosa Caipira & Cia
Sátiro dos Reis
Jornalista e Filósofo caipira formado nas barrancas do Rio Verde, é contador de causo e gosta duma boa pescaria de beira de rio. Jura de pé junto que em vidas passadas já foi violeiro, peão boiadeiro e sanfoneiro nordestino. Atualmente cultiva abobrinhas, e outras sátiras a mais, no terreno fértil do humor descompromissado e da livre imaginação. * Preste atenção: qualquer semelhança com fatos ou pessoas pode não ser mera coincidência, hein!
Do arco da véia
16/05/2008
Óia quieu to di vórta adispois de muita chuva quinundô inté a tapéra do cumpadi Arceu. Alinhais, caboquim bão, sô! Num recrama de nada, num qué sabê de abri cepêi prá módi azucriná o Lulalá, nem pá vê us gasto do Fernando Heriqui, qui tamém gastô us tubo e inda por cima vendeu as estatar a preço de banana nanica prus gringo. Genti carma tá ali. Passado a chuva já prantô uns mio, mai uns fejão i mandioca qui num pudia fartá né! I vai tocano im frente conheceno as massa i as maçã. Essi é brasilero, num adizésti nunca.

Falá im brasilero, num sei si na roça doceis aconteci o memo, mais cá pás nossa banda ínvem chegano o tempo de eleição tem uns dinossauro qui sai da toca i fica cutucano pá vê si vórta mamá nas têta seje da prefeitura ou da câmara. Ói procê vê, tem uns qui fica o tempo todim sem parecê, só fica lá nus bem bão di Belzonti, mai aí qué vim dizê pá nóis o quié mio pá nossa cidadi. Tem base? Vórta pá toca Tatu! Cumpadi Irineu tava falano qui a polícia federar tá inté investigano arguns político da região pá sabê como eles inrricaro tão dipressa, óia vô contá uma coisa proceis, si essa tar investigação fô pá valê, vai ficá parecenu aquela música véia qui dizia: “ si gritá pega ladrão num fica um meu irmão”.

Mudano um cadiquim di prosa, oceis sabia qui o tar frazeado populá “do arco da véia”, é cheim de léro-léro, i no fundo ninguém ixprica nadica di nada. Como diz Cumpadi Irineu, qui é istudado pá burro i intelectuar ninhum botá defeito, tudo num passa di ispiculação barata. Mais nem pur isso nóis dexô di pesquisá né! Cumpadi Luis Melo foi qui sugeriu essa pesquisa, viu!Tem uns istudioso qui diz qui o “arco da véia” tamém era o nomi do arco-íris, otros conta qui o arco-íris pareceu adispois do dilúvio i repersentava a nova liança di Deus cús hómi, intão o arco da véia liança qui ninguém, viu sumiu. Oceis tá rino né! Mais é verdadi verdadera, viu! Aqui na roça tem um pessoar mais véio qui conta qui uns tempo atrais as pessoa querditavam qui tinha umas bruxa qui adispois di muito avoá di vassora pá lá i pá cá, elas ficava sentada na curva do arco-íris discansano i bateno papo, i como elas era feia dimais dá conta o pessoar passô a chamá arco-íris di “arco das véia”, daí qui quarqué coisa fóra du normar passo a ficá conhecida como do “arco véia”, inté purmódiquê as bruxa si mandaro i só ficô uma, qui si oceis prestá bem atenção dá pá vê quano arco-íris pareci lá im Santumé das Letra.

Mais as ixpricação num para pur aí não. Tá pensano qui nóis é perguiçoso, fumo investigá mais, intão pareceu uns causo novo pramódi tirá as dúvida sobri o tar do “arco-da-véia”. Alinhais, tem umas expricação qui pá piorá são tamém do “arco da véia”. Uma delas foi cumpadi Riciéri qui contô, cabôcro intendido nas história diz eli qui nus tempo antigo num tinha ilástico pá módi prende as carçinha das muié, intão qui lá pás banda di Sangonçalo du Sapucai tivero a idéia di prende as carcinha, qui na época era feita de saco di trigo arvejado, cum arami. Aí qui tinha uma véia muito da gorda, qui segundo os morador do lugá num gostava di lavá a dita carcinha, qui na verdadi era uma baita carçona, i qui quanu ela agachava pá pegá arguma coisa no chão só aparecia o arami qui prendia a carça, daí qui os muléque sempri qui a véia gachava elis gritava: “óia lá o arco da véia”, como tinha genti qui nunca viu nem a carça da véia nu varar é muito menos o tar do “arco da véia”, intão fico o mistério qui dura inté hoji naquela região i adjacença.

Pur ôtro lado, ali pertim di Paraguassu, além do avião qui num avoa, diz qui tinha uma véia benzedera chamada Crotirdi qui só benzia boi brabo i cavalo chucro. Mar oiado, quebranto, dor nas cadêra, préla era frescura dimais dá conta. Intão conta os mais véio qui antis dela benzê os animar, incrusivi os dono, ela tinha qui tomá uma meióta de pinga, vai daí qui quando argúem isquecia di levá préla a água qui passarim num bebi, diz qui baxava um cabocro muito do birrento nela qui oiava pru infeliz qui tava mais perto i dizia: “ vai logo seu manguacento buscá o “arco da véia”. Intão diz qui o medo era tanto qui o cabocro dexava lá inté o animar, mais num vortava pá levá o tar do “arco da véia”. Imagina intão cum qauntus animar a tar da véia foi ficano, né! Essas são as ixpricação inté agora, si ocê subé di otra é so mandá pá nóis. Si deu pá ri ieu num sei, só sei qui a cumadi Arzira quase teve um tréco di tanto ri. Penso o que? Nóis tamém é “do arco da véia”, num é memo?

Falá im ri, diz qui perguntaro pô Cumpadi Mauro o que ele ia fazê si ganhasse uns 50 milhão na megasena, sabi o qui ele arrespondeu? Dissi qui ia pagá uma dívida, aí preguntaro di novo prêle: “ i o resto?”, o danado arrespodeu: “ ah!, o resto qui ispere, uai!”. Si é véro ieu num sei, só sei qui mi contaro qui lá pás banda di Andrada, tinha um cabôcro qui começo a perdê di morte morrida umas vaca i uns boi. Aí disséro prêle qui tinha um matuto curadô im Pósdicarda qui pudia dá um jeito na situação. Ele mandô vim o tar do curandero, i anssim qui chegô lá ele falo qui podia arresorvê o pobrema, mais pá módi as reza funcioná ele tinha de ficá cum fia do cabôcro, qui era a morena das mais bunita já vista no lugá, trancado no quarto. Fazê o quê né? O cabocrô chamô a fia i ela foi pô quarto cum o rezadô mais o cajado qui ele carregava pá módi fazê as reza. Meio abestaiado, du ladifóra do quarto o cabocrô fico só ovino as tár da reza qui o curadô ia falano:

- Passo o pau no joeio pá curá os boi vermeio!

- Passo o pau nas coxa pá curá as vaca mocha!

- Passo o pau na viria pá curá as novia !

Foi intão qui o cabocrô abriu a porta do quarto i gritô mais qui depressa:

- As vaca preta e os boi zebú pó dexá morrê...!!!

Si oceis

gostarô num sei, ieu já tô gostano muito, manda um emeio pá nóis ou prô Yorkuti(sem víru), quieu tô ino passiá lá pás banda di Pósdicarda, ocê já foi? Inda não? Ô coitadu! Prestenção! Cumpadi Irineu é quem diz: “ Quem fala dimais num tem tempo nem pá dá bão dia pá cavalo”. Nóis é bão di filosfia tamém! Larga meu pé anarfabeto político! Sô brasileiro, uai! Nóis votô manóis xinga. Quem polui o meiambienti acaba cum a vida da genti. Pópará di poluí, sujão! Òia os musquito da dengui! Xô febre amarela! Bem quieu tava avisano, hein!Tempocabô!

Psiu: quarqué erro qui oceis notá, num arrepára não!

Comente!

 
Últimos artigos deste colunista
24/11/2017 | Caipira não é jacu
18/07/2012 | Trem Tá Feio
« ver todos
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Colunistas

Página Principal | Notícias | Entretenimento | Guia Comercial | Guia de Bares e Restaurantes | Guia de Hospedagem
SIGA O VARGINHA ONLINE Curta a Página do VOL no Facebook Siga o VOL no Twitter Fale conosco
Quem Somos | Entre em Contato | Cadastre sua Empresa | Cadastre seu Evento | Central do Usuário | Anuncie no Varginha Online

Todos os direitos reservados 2000 - 2014 - Varginha Online - IPHosting- Hospedagem de Sites (Parceiro Varginha Online)