Coluna | BRASILzão
Fábio Brito
Presidente da Empresa das Artes, editora com mais de 160 obras publicadas nos segmentos de turismo, meio-ambiente e cultura; de guias de viagem a livros de arte. Os textos de Brasilzão são de sua autoria.











Brasilzão Cambaleante!
03/05/2017

Domingo, 30 de abril de 2017, 22 horas! Véspera do feriado em homenagem ao Dia do Trabalho.

O Jardim do Ipiranga aparecia timidamente em frente à suntuosa edificação com características arquitetônicas européias e junto ao ribeirão onde, segundo rezam os relatos históricos, foi proclamada a independência do Brasil de sua famigerada madastra da Península Ibérica, Portugal.

Os tons amarelados, emanados das lâmpadas de postes que enfileirados serpenteavam até a esquina onde se encontrava um botequim popular, iluminavam as copas de frondosas árvores que pareciam adormecidas naquela noite outonal que derramava impressões visuais embaladas pela música popular e no local onde pessoas humildes e espontâneas diluiam no gargalo de garrafas de cerveja gelada as agrúrias do ser brasileiro em um país em decomposição e oprimido pela própria incompetência e falta de educação para pressentir que o caos se aproximava a galope.

A melodia em sons soltos e quase estridentes do forró ("for all"- para todos - segundo dita a lenda que elucida o nascimento deste genero musical nordestino) levaram-me a mergulhar no Brasil Profundo e as emocões me escapavam no consolidado sentimento do não pertencimento. Não faço parte de nada, não pertenço a ninguém. Não frequento e não sou frequentado. Me isolo e estou isolado. Parafraseando o jovem gênio baiano, o poeta Castro Alves, dilacero o

meu peito e profiro o grito interno do desconhecimento:

- Deus, ó Deus, onde estás que não me escutas?

Bruscamente me aconchego no sentimento de solidão e percebo os detalhes da localidade onde me encontrava: mesas escuras de madeira em contraste com o piso de cerâmica cinza claro e paredes em tons ocre com reflexos rosados e azuis no pisca-pisca de uma lámpada bizarra e giratória que distribuia de forma feérica, e pobre, o glamour miserável de um bar com pretensões a casa noturna.

No muro estava afixado um cartaz com os dizeres "Edmilson Bacana - O Swing Agitado do Forró" e, dessa forma, o Nordeste se impunha na capital paulista, noite adentro, nesta terra de migrantes (e imigrantes) em busca de uma sobrevivência digna sem abrir mãos de suas parcas e pouco profundas raizes.

Estava de novo no Brasilzão, sufocado na nação cambaleante e dispersa!

Comente!

 
Últimos artigos deste colunista
« ver todos
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Colunistas

Página Principal | Notícias | Entretenimento | Guia Comercial | Guia de Bares e Restaurantes | Guia de Hospedagem
SIGA O VARGINHA ONLINE Curta a Página do VOL no Facebook Siga o VOL no Twitter Fale conosco
Quem Somos | Entre em Contato | Cadastre sua Empresa | Cadastre seu Evento | Central do Usuário | Anuncie no Varginha Online

Todos os direitos reservados 2000 - 2014 - Varginha Online - IPHosting- Hospedagem de Sites (Parceiro Varginha Online)