Coluna | Prosa Caipira & Cia
Sátiro dos Reis
Jornalista e Filósofo caipira formado nas barrancas do Rio Verde, é contador de causo e gosta duma boa pescaria de beira de rio. Jura de pé junto que em vidas passadas já foi violeiro, peão boiadeiro e sanfoneiro nordestino. Atualmente cultiva abobrinhas, e outras sátiras a mais, no terreno fértil do humor descompromissado e da livre imaginação. * Preste atenção: qualquer semelhança com fatos ou pessoas pode não ser mera coincidência, hein!
Ocê qui sabi
04/01/2008
“Quem mimsinô a nadá foi os pexinho du mar”, tavaqui ovino umas módiviola du Pena Branca i Xavantinhu i lembrano qui quando a gente inda num sabi das coisa da vida tárriscado a levá uns safanão inté aprendê “cum quantos pau si faiz uma canoa”, como dizia meu avô. Oi procê vê, ieu inda era bem pequeno e inventei di companhá uns muleque maió pá tomá banho num córguinho que passava lá nos fundo da roça. Sem sabê purquê, eis ia rino ieu tamém. Contá proceis, chegamu lá num é quios lazarento mimpurraro dendágua.

Ô dó! Num bastasse a água tá gelada qui nem picolé, pá variá meu carção qui era dos bem largo si sortô, i lá tava ieu sem sabê se percurava o carção ou iscondia os documento qui si ainda era pequeno incoieu diveis. Naquelas artura, ou friura, dos acontecimento, inté quase sumiu di friu. Oceis nem quêra sabê o quantu xinguei us fiodumaégua, mai num diantô nada, adispois quem mandô andá côs muleque maió quieu, né! Tremeno di friu inda lembrei qui quanu falei quia tomá banho nu córgo, minha mãe mi dissi: “ ocê qué í, ocê vá, adispois num diga quieu num visei, ocê qui sabi!”. Tá veno só, bem quieu pudia tê ido durmi sem essa, né! Mais, oiano pelo lado postivo, inda bem quieu num fiquei cum argum trarma, pruquê já penso sieu, cumo dissi o tar di Fróidi, adispois dum contecimento trarmático dessi cabássi disenvorveno arguma piscose ou sabi lá argum tipo de comportamentu istérco. Viréssa boca pá lá, benzadeus, cruiz credo, vigemaria!

Mudanu diassuntu, cumpadi Márcio, um caipira danado diesperto nas cumputação mi mandô um causo preu contá proceis, si oceis gostá pódi praudi eli tamém, si não gostá, oceis é qui sabi! Essi causo parece tê contecido ali pertim do Córgodoro, uma cidade aqui das dejacença. Prestenção: O caboquim cordô cedim dimais da conta, ispriguiçô, lavô as mão na gamela, limpô uzói, sinxugô, tomô café, pegô a inxada, sivirô pá muié i falô: “muiééé, tô ino trabaiá”. Mais anssim quieli saiu di casa, discunfiado quitava cum a muié, inveiz di í pá roça, subiu num pé di manga i ficô iscundidin... De repente pareceu num si sabi di ondi um negão muito do serelepe qui subiu no pé di manga i nem viu qui o caboquim tava lá inrriba. Pegô uma manga i chupô, pegôta i mais ôta..., ai a muié do caboquim chegô na jinela i gritô: “ póvim quieli já foi!”. O negão largô as manga i sinfurnô dendacasa do caboquim. Aí o caboquim, danado di réiva, desceu da arve pegô o facão i entrô feito um istrupício na casa. I nem bem quiscancarô a porta do quarto viu o negão chupano as teta da muié, antonsi eli alevantô o facão i gritô pô negão: “ Ocê vai morrêêê negão!!!”. O negão sartô de banda, puxô um trintoitão, apontô pô caboquim i priguntô: “ pruquê quieu vô morrê?”. O caboquim mais qui depressa arrespondeu: “Ara, ocê chupo manga i agora tá mamano leiti, anssim ocê vai morrê, cê num sábi qui manga cum leiti faiz mar?!...”

Uai, oceis num sabi mais ieu vô contá, fizero uma pisquisa i discubriro que o povo mais feliz damérica latina é os colombiano – Cumpadi Irineu falô qui deve sê purcausdiquê eles vive mascano fôia di coca. Agora magine só, adispois vem o povo brasilero i o da Venezuela, cum o Chavi i tudo. Pur outra banda, o mais pissimista do mundo é o povo dum lugá chamado Togo, tamém cum essi nómi num da pá sê feliz né! I o povo do Curdistão? Num tão! Nem us do Feganistâo, do Casaquistão i do Uzubéquistão. Agora, a mesma pisquisa diz qui o povo mais feliz do mundo é o da Dinamarca, “deve sê purcausdiquê devim tê desinfetado aquele “argo de podre no reino da Dinamarca” quias pessoa vivia ispaianu por aí”, comento cumpadi Hiláriu. Curtura Inútir tamém é bão, faiz parti da conexão.

Tem uns causo qui só conteci aqui na roça memo! Oceis sabi qui toda roça boa qui se prezi sempre tem um bebum di marca maió, um maguacento di tirá o chapéu. Intão essa estória conteceu num velório ali pás banda di Ôro Fino, lá ondi o minino abriu a portera pô Sérgio Reis. O bebum chegô bem na horinha qui a viúva tava fazeno as urtimas despedida do finado. Oceis sabi né qui tudo quanté pessoa memo qui seja mardosa dimais da conta adispois qui vira difunto só farta virá santo, mais essi num foi o caso, a viúva, além de tá pê da vida cum o morto purcausdumas traição, pareci tamém qui já tinha tomadu umas cum mérdabêia prá ispantá a tristeza ou a réiva. Intão tava lá a viúva falano pô defunto sem dó i nem piedadi: “Ocê vai vê só, vai pagá todos pecado, ocê vai prum lugá iscuro, sem luiz, sem água.....”. Foi aí qui o bebum num guentô mais i gritô: “Pó pará! Lá im casa num cabi mais ninguém!”.

“Debuiá o trigo, recoiê cada bago do trigo, forjá no trigo o milagre do pão, i si fartá di pão...”. Intão, caipirada boa, tamu nóis, quereno ou não quereno, inargurano mais um ano novinho em foiá. Nóis aqui da roça vai cuntinuá fecundano o chão, afagano a terra e conheceno os segredo da terra. Vamu vê si nóis i oceis anda mais di vagá pruquê num é preciso pressa, i fazê cumo cumpadi Renato Texera, “conhecê as manha i as manhãs, o sabor das massas i da maçã, sabeno qui: cada um de nóis compõe a sua história, cada ser em si carrega o dom de sê capaiz, de sê feliz”. Vamu vê tamém si nóis arrepara mais nas coisa boa qui aconteci, pá num parecê qui tá tudo perdido i onóis num pódi fazê mais nada. Fé im Deus i pé na botina, qui nóis tamém num é bobo, né!

Si oceis gostarô num sei, ieu já tô gostano muito, manda um emeio pá nóis ou prô Yorkuti(sem víru), quieu tô ino cumê um peixim fritu lá nu Bar du Cumpadi Ernesto, já ixprimentô? Inda não? Ô coitadu! Prestenção! Um 2008 cheim di tudo di bão. Cumpadi Irineu é quem diz: “ Tendo Saúdi i Paiz, du resto a genti corre atraiz”. Nóis é bão di filosfia tamém! Larga meu pé anarfabeto político! Sô brasileiro, uai! Nóis votô manóis xinga. Quem polui o meiambienti acaba cum a vida da genti. Pópará di polui, sujão! Òia os musquito da dengui! Bem quieu tava avisano, hein!Tempocabô!

Comente!

 
Últimos artigos deste colunista
24/11/2017 | Caipira não é jacu
18/07/2012 | Trem Tá Feio
« ver todos
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Colunistas

Página Principal | Notícias | Entretenimento | Guia Comercial | Guia de Bares e Restaurantes | Guia de Hospedagem
SIGA O VARGINHA ONLINE Curta a Página do VOL no Facebook Siga o VOL no Twitter Fale conosco
Quem Somos | Entre em Contato | Cadastre sua Empresa | Cadastre seu Evento | Central do Usuário | Anuncie no Varginha Online

Todos os direitos reservados 2000 - 2014 - Varginha Online - IPHosting- Hospedagem de Sites (Parceiro Varginha Online)