Coluna | Viver Consciente
Willes S. Geaquinto
Psicoterapeuta Holístico, Consultor e Palestrante Motivacional, Escritor - Autor dos livros "Cidadania, O Direito de Ser Feliz” e Autoestima – Afetividade e Transformação Existencial

Interatividade: Os textos desta coluna expressam apenas a opinião do autor sobre os assuntos tratados, caso o leitor discorde de algum ponto ou, até mesmo, queira propor algum tema para futura reflexão, fique a vontade para comentar ou fazer a sua sugestão.

Site: www.viverconsciente.com.br
Autoestima e afetividade II
19/06/2019
Tendo como base diversos estudos sobre a autoestima e a minha própria experiência pessoal e profissional, acredito que o grau da nutrição afetiva está intimamente ligado ao nível da autoestima que a pessoa desenvolve. Alguém que desde a mais tenra idade foi cercado de afeto, dificilmente terá um conceito negativo de si mesmo. 

Para tornar mais esclarecedor para os leitores e leitoras, daqui para frente vou me deter na denominação de “carícias” para os estímulos afetivos aos quais me referi até agora. Mas o que são carícias? Como as entendemos? 

É possível que ao falarmos de carícia nos venha à mente os beijos, os abraços e carinhos que, às vezes, trocamos ou que vemos os outros trocarem no cinema e nas novelas. Digamos que essa seja uma visão comum, mas, será que carícia é só isso? Qual o seu verdadeiro e real significado?

Uma definição simples de carícias fornecida pela Análise Transacional : são estímulos intencionais que podem demonstrar estima e aceitação; ou ofensa e rejeição, de uma pessoa para outra. Sobre as carícias diz Roberto Kertész, médico psiquiatra introdutor da Análise Transacional na América Latina: “por detrás de sua aparente simplicidade, está a essência das relações humanas...”. 

A carícia é, na verdade, uma forma de reconhecimento da existência do outro. Se eu cumprimento o meu vizinho, por exemplo, eu estou lhe dando uma carícia, estou reconhecendo a sua existência, é o mesmo que eu lhe dissesse: “você está aí né”. Quando o pai, ou a mãe, diz: “meu filho eu te amo”, você está lhe dando uma carícia positiva. As carícias podem ser transmitidas através da palavra, do olhar, do gesto, do toque físico.

Nos próximos artigos desta série vou aprofundar um pouco mais o assunto. Principalmente no que diz respeito aos modos de carícias, para que você leitor ou leitora possa fazer uma análise do seu “padrão de carícias”, já que mantê-lo rico e abundante é fundamental para quem deseja possuir uma autoestima saudável.

 

Comente!

 
Últimos artigos deste colunista
31/10/2019 | Fracasso ou sucesso?
23/10/2019 | O Foco
10/10/2019 | Crenças negativas I
« ver todos
 
Colunistas

Página Principal | Notícias | Entretenimento | Guia Comercial | Guia de Bares e Restaurantes | Guia de Hospedagem
SIGA O VARGINHA ONLINE Curta a Página do VOL no Facebook Siga o VOL no Twitter Fale conosco
Quem Somos | Entre em Contato | Cadastre sua Empresa | Cadastre seu Evento | Central do Usuário | Anuncie no Varginha Online

Todos os direitos reservados 2000 - 2014 - Varginha Online - IPHosting- Hospedagem de Sites (Parceiro Varginha Online)