Coluna | Viver Consciente
Willes S. Geaquinto
Psicoterapeuta Holístico, Consultor e Palestrante Motivacional, Escritor - Autor dos livros "Cidadania, O Direito de Ser Feliz” e Autoestima – Afetividade e Transformação Existencial

Interatividade: Os textos desta coluna expressam apenas a opinião do autor sobre os assuntos tratados, caso o leitor discorde de algum ponto ou, até mesmo, queira propor algum tema para futura reflexão, fique a vontade para comentar ou fazer a sua sugestão.

Site: www.viverconsciente.com.br
Autoestima e comunicação
09/05/2019
Como estudioso da autoestima conclui que podemos avaliar o grau de autoestima de alguém ou de nós mesmos utilizando-se de algumas premissas. Uma delas está relacionada à qualidade do uso do tempo, e a outra não menos importante, que por hora destaco, refere-se ao modo como a pessoa se comunica. Isto porque a comunicação interpessoal é também elemento integrante da expressão da autoestima. 

Para ilustrar a presente reflexão cito um exemplo pessoal. Em outros tempos já fui uma pessoa muito tímida e, pela dificuldade em expressar com clareza o que estava pensando ou sentindo, acabei contribuindo para que muitas situações acabassem por gerar sérios transtornos em minha vida. Por falta de uma compreensão mais apurada acerca de mim mesmo, na época desenvolvi a crença de que ninguém me compreendia, de que eu era vítima de todos e de tudo. E, assim, fui colecionando perdas, fracassos e relacionamentos insatisfatórios.

Depois, por experiência própria, aprendi que muitos daqueles que se dizem incompreendidos não percebem que eles próprios são responsáveis por não se fazerem compreender; que muitas vezes não há como os outros adivinharem o que estamos pensando ou sentindo quando não nos comunicamos com clareza. Por vezes, na base de algumas crises relacionais o que fica evidente é justamente a falha ou ausência de comunicação. Muitos casais, por exemplo, até tentam se relacionar melhor, porém, pecam ao deixar de expor com maior nitidez o que cada um sente ou pensa em relação ao outro, ou sobre a situação que estão vivendo. Desta maneira, cada um, a seu modo, vai acumulando insatisfações que inevitavelmente acabam por alimentar e gerar crises profundas, muitas irremediáveis. 

Costumo dizer que um dos princípios da boa comunicação está em ser honesto consigo mesmo. Mas por isso soar estranho para algumas pessoas, elas indagam: “como posso faltar com a verdade comigo mesmo?”. A resposta é simples, sempre que diante do outro você não se assume por inteiro como verdadeiramente é, nesse exato momento você também estará faltando com a verdade para consigo mesmo. Ser honesto significa deixar de viver de disfarces, romper com a encenação de papéis mostrando o seu “eu” verdadeiro, pois, toda convivência amparada na falta de autenticidade um dia ou outro será descoberta. 

Aquele que não é autêntico vive sempre preocupado e ansioso por temer a todo tempo que descubram a sua farsa. Por outro lado, aquele que age de maneira transparente, sendo quem realmente é, vive com maior leveza e satisfação por não ter nada a esconder. 

Enfim, quem possui a autoestima equilibrada se comunica com eficiência. É integro ao falar de si mesmo, expressa com serenidade suas opiniões e sentimentos, e expõe sem arrogância suas habilidades pessoais.

 

 

 

Comente!

 
Últimos artigos deste colunista
14/08/2019 | Nós e os outros II
07/08/2019 | Nós e os outros I
« ver todos
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Colunistas

Página Principal | Notícias | Entretenimento | Guia Comercial | Guia de Bares e Restaurantes | Guia de Hospedagem
SIGA O VARGINHA ONLINE Curta a Página do VOL no Facebook Siga o VOL no Twitter Fale conosco
Quem Somos | Entre em Contato | Cadastre sua Empresa | Cadastre seu Evento | Central do Usuário | Anuncie no Varginha Online

Todos os direitos reservados 2000 - 2014 - Varginha Online - IPHosting- Hospedagem de Sites (Parceiro Varginha Online)