Coluna | BRASILzão
Diego Gazola / Fábio Brito
Diego Gazola,(MTB-SP-44.350), é repórter-fotográfico.Graduado em Comunicação Social pela UMESP-SP, tem se especializado em fotojornalismo de viagens. Em cinco anos, já percorreu mais de um mil municípios em todo o Brasil para avaliação dos atrativos e documentação fotográfica dos Guias Turístico-Culturais da editora Empresa das Artes.As fotografias de Brasilzão são de sua autoria.
diegogazola@uol.com.br

Fábio Brito. Presidente da Empresa das Artes, editora com mais de 160 obras publicadas nos segmentos de turismo, meio-ambiente e cultura; de guias de viagem a livros de arte. Os textos de Brasilzão são de sua autoria.
fabiobritocritica@yahoo.com.br
Bebedouro: um futuro promissor, se levado a sério
26/08/2008

Bebedouro éa capital da laranja na América Latina

Cores e simplicidade em moradias residenciais

Paróquia de São João Batista. Local de paz e de tranqüilidade

Museu do Ferroviário "Oswaldo Schiavon"

Laranja, sinônimo de prosperidade e de riqueza na região

Trabalho minucioso em maquetes expostas no Museu

Seu Jorge tem "casos e causos" para contar sobre Bebedouro

Uma bela visão do Centro Histórico

- Onde vocês palestraram na semana passada?


Aeronave antiga no Museu Eduardo André Matarazzo

- No IMESB.

- O que?... Seja mais claro em suas respostas!

- Está bem: no Instituto Municipal do Ensino Superior de Bebedouro “Victório Cardassi”. Tivemos a oportunidade de interagir com alunos dos cursos de Serviço Social, Direito, Rádio e TV, Publicidade e Propaganda, Jornalismo, Ciências Econômicas, Ciências Contábeis e Administração.


A poluição visual compromete o patrimônio arquitetônico

- Nossa! Não há nenhum curso de Turismo por lá? Qual foi o tema da exposição de vocês?

- Uma resposta por vez: não há curso de Turismo e nem acredito que deva haver. As demais matérias têm ligação direta com a questão turística. Todo empreendimento deve ser bem administrado, ter resultados financeiros e econômicos, ter respaldo legal, ser divulgado e prestar o bem à comunidade onde se encontra. Entendeu?


 Belo exemplo de ocupação humana integrada à história da cidade

- E a segunda resposta?

- Palestramos sobre o tema “Brasilzão”. E, embora houvesse um grande interesse por parte dos universitários ali presentes, constatamos, mais uma vez, a falta de conhecimento sobre as diversidades brasileiras ou sobre a própria região em que habitam. Raros são aqueles que têm uma noção ampla da dimensão deste país, de suas fronteiras e de seus povos.

- O que você sabe sobre Bebedouro?


É importante preservar e valorizar o Centro Histórico de Bebedouro

- Vou responder de maneira clara e emocional, sem dessa vez, entrar em aspectos históricos sobre a pacata e agradável cidade. Bebedouro está bastante limpa para os padrões brasileiros. Possui áreas verdes, embora necessite dar continuidade aos esforços de arborização temática.

- O que seria para você arborização temática?


Urge despoluir visualmente Bebedouro

- Sabemos que antigamente os árabes ornamentavam seus jardins internos com laranjeiras, por eles consideradas espécies exóticas, que embelezavam o paisagismo. Tente imaginar Bebedouro, a capital da laranja, com espécies raras plantadas em seus jardins e pelas vias publicas. Como em Belém do Pará, onde as mangueiras constituem parte da alma da capital.


Museu Eduardo André Matarazzo. Rico acervo de automóveis, armas e aviões antigos

- Certamente serão necessários ainda maiores esforços para embelezá-la. O seu patrimônio histórico-arquitetônico – representado por uma bela e instigante estação ferroviária e por uma colônia singela de casinhas geminadas além das linhas elegantes dos casarões centenários – encontra-se menosprezado pela própria população e pela administração local. A poluição visual provocada pela publicidade indevida e painéis de propaganda de proporções exagerados desfigura o semblante de uma das mais simpáticas cidades brasileiras.

- O que poderia ser feito para devolver à cidade o seu brilho de outrora?

- Agora sim vou passar a você alguns dados sobre Bebedouro: cerca de 80 mil pessoas convivem naquela cidade acolhedora, que ainda abriga mais de 1.500 empresas e centenas de indústrias em seu território.

- Quando nasceu Bebedouro?


Bebedouro tem sua história ligada aos tropeiros, á ferrovia e aos laranjais

- Em 2009 serão festejados 205 anos de existência de Bebedouro, que surgiu junto a um córrego de águas límpidas por onde passavam os tropeiros após longas viagens pelo Interior brasileiro. É necessário, portanto uma reflexão sobre o seu futuro, sobre a utilização de seus potenciais humanos, históricos, culturais e financeiros, ao resgatar de maneira sólida vestígios e marcas de seu passado que a transformaram na “Califórnia Brasileira”. Turismo rural, turismo cultural, educação, esporte e religião se apresentam como atrativos que devem ser considerados como a forte razão de ser dos bebedourenses.

- Tenho um pouquinho de informações sobre Bebedouro. Fiquei fascinado com o Museu Eduardo Matarazzo, onde aviões, carros e armas compõem um raro acervo, que resgata aspectos importantíssimos da indústria brasileira. O Museu Ferroviário, a Estação Cultura, o Horto Florestal e outras atrações podem contribuir, se levados a sério, para que Bebedouro seja um destino privilegiado para lazer, descanso e entretenimento no Estado de São Paulo.

- Mas, para que isso ocorra, é preciso despertar a população incitando-a a valorizar a sua própria cidade!

- Falou e disse! Sem isto, nada daquilo...

Comente!

 
Últimos artigos deste colunista
28/09/2009 | Embu das Artes
28/09/2009 | Brasil. Vai Brasil!!!
« ver todos
 
Colunistas

Página Principal | Notícias | Entretenimento | Guia Comercial | Guia de Bares e Restaurantes | Guia de Hospedagem
SIGA O VARGINHA ONLINE Curta a Página do VOL no Facebook Siga o VOL no Twitter Fale conosco
Quem Somos | Entre em Contato | Cadastre sua Empresa | Cadastre seu Evento | Central do Usuário | Anuncie no Varginha Online

Todos os direitos reservados 2000 - 2014 - Varginha Online - IPHosting- Hospedagem de Sites (Parceiro Varginha Online)