Coluna | Viver Consciente
Willes S. Geaquinto
Psicoterapeuta Holístico, Consultor e Palestrante Motivacional, Escritor - Autor dos livros "Cidadania, O Direito de Ser Feliz” e Autoestima – Afetividade e Transformação Existencial

Interatividade: Os textos desta coluna expressam apenas a opinião do autor sobre os assuntos tratados, caso o leitor discorde de algum ponto ou, até mesmo, queira propor algum tema para futura reflexão, fique a vontade para comentar ou fazer a sua sugestão.

Site: www.viverconsciente.com.br
Educando os instintos
15/04/2005
Na rota do autoconhecimento é sempre importante para o ser humano conhecer muitos dos mecanismos psíquicos que, de uma forma ou de outra, acabam por dirigir-lhe a vida, isto para que possa, gradativamente, lapidar suas posturas e potencialidades de modo a evoluir conscientemente.

Um desses elementos a ser conhecido é o instinto, cuja definição mais inteligível é de que trata-se de uma espécie de inteligência rudimentar, desprovida de racionalidade. Com o sentido de dar clareza a esta reflexão, faz-se necessário, porém, diferenciar o instinto do inconsciente, posto que este último, de acordo com a teoria psicanalítica, é um depositário de elementos excluídos da atividade mental principalmente por apresentarem, na maioria das vezes, algum conteúdo traumático. Porém, é sabido que essa diferenciação tem uma linha muita tênue a ampará-la, já que na prática ambos elementos podem gerar atitudes impulsivas ou compulsivas.

Detendo-se apenas na questão do instinto, é possível afirmar que quanto menos uso o ser humano faz de sua racionalidade, mais será guiado por ele. Entendo que o instinto está muito ligado à necessidades, algumas básicas e até mesmo naturais, como a necessidade de sobrevivência, de proteção, de saciar a fome, a sede, etc., e a outras que beiram ao lado mais animalesco do ser humano, o que o leva em alguns momentos a cometer ações destrutivas para dar vazão aos seus instintos. Vendo pelo lado positivo a percepção é de que nem todos os instintos são ruins, a questão passa então pelo modo de educar aqueles que são negativos, ou seja, colocá-los sob o comando da razão, pois, quanto mais ela for potencializada através do uso da inteligência mais eles perderão sua força dando lugar a sentimentos superiores.

Provavelmente alguns mais céticos, pessimistas e assemelhados, dirão que isso beira à utopia, eu vejo sob outra ótica, a da possibilidade de criarmos um outro paradigma que norteie as relações humanas levando em consideração toda a gama de potencialidades que possuímos. Pois, embora estejamos no limiar do terceiro milênio, essas potencialidade estão relegadas a um plano secundário, devido à pouca dedicação na busca de um conhecimento que vá além da tecnologia propriamente dita, e vise, sobre tudo, estimular o aprimoramento dos sentimentos humanos.

Boa Reflexão. Paz e Luz para você.

Comente!

 
Últimos artigos deste colunista
18/03/2022 | Homo Homini Lupus
25/01/2022 | Ser mais
10/01/2022 | Não olhe para cima
« ver todos
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Colunistas

SIGA O VARGINHA ONLINE Curta a Página do VOL no Facebook Siga o VOL no Twitter Fale conosco
Página Principal | Expediente | Privacidade | Entre em Contato | Anuncie no Varginha Online

Todos os direitos reservados 2000 - 2022 - Varginha Online - IPHosting- Hospedagem de Sites (Parceiro Varginha Online)