Coluna | BRASILzão
Fábio Brito
O editor e jornalista Fábio Brito é responsável pela edição e publicação de centenas de títulos voltados às realidades do Brasil. Durante anos esteve à frente de selos editoriais importantes e renomados e no presente momento impulsiona, através de consultorias específicas nas áreas editorial e cultural, os selos Bela Vista Cultural e FabioAvilaArtes. A coluna Brasilzão, inicialmente através do Jornal Correio do Sul, de Varginha, foi iniciada em 11 de julho de 2004 e tem contado com a importante parceria do Varginha Online na disponibilização de vivências de Fábio Brito por todo o Território Nacional e por países por onde perambula em suas andanças.
IGARAPAVA, 5 HORAS DA MANHÃ
17/07/2018
Uma longa viagem – noturna – em um ônibus que adentrava inúmeros municípios dos interiores paulista e mineiro levou-me a Igarapava, cidade quase fronteiriça nos limites de Minas Gerais e São Paulo.

Às cinco horas da manhã, encontrei-me na histórica Rodoviária – arquitetura dos anos 70 – a qual foi inaugurada pelo finado Governador Paulista, Orestes Quércia, que ficou imortalizado em uma placa de bronze onde constam os nomes de algumas autoridades e, em destaque, a do então questionado gestor público.

O dia se anunciava. Pássaros miúdos, em algazarra, denunciavam a vida pulsante naquele curioso universo – uma imensa árvore – que abrigava milhares de voadores ruidosos.

A antiga edificação, com suas luzes tênues e amareladas, apresentavam-me o diamante bruto a ser lapidado para que a aquitetônica obra se transformasse em um belíssimo exemplo de construção de época, através da beleza de suas formas, da sutileza de seus ângulos e das linhas das escadas e dos corrimões que parecem guardar segredos de passos firmes, passos afoitos, passos lentos, passos desequilibrados de, provavelmente, milhares de seres humanos que por ali passaram.

Meu coração pulsou, minha respiração ficou ofegante e meu cérebro, oxigenado, me propiciou a sensação de tristeza ao perceber ao meu redor pessoas que sobrevivem com parcos recursos com a preocupação constante do universo de despesas do dia a dia. E me submergia a sensação de desejar desbravar o desconhecido para que juntos buscássemos uma solução para enxergar os atrativos da vida pelas capacidades de inspiração, de criação, de educação e de execução.

Percebi ao lado, às cinco horas da manhã, indivíduos acuados, retraídos, entristecidos, desiludidos e com os semblantes amargurados.

Eram trabalhadores rurais, “boias frias”, que buscavam o sustento nas cidades vizinhas e esperavam, como um castigo, o ônibus que os levaria ao malfadado trabalho.

“Os poetas de minha rua têm um alfabeto simples

para a poesia rude de seus pés e mãos.

Os poetas de minha rua escavam lendas no asfalto e

rocha bruta.

Esses homens têm os rostos comuns, de comum aspereza e de vida comungada.

Os poetas de minha rua têm as mãos caboclas

escrevem poemas na terra.

Seu mundo é roçado, silencio e foice.

A lira é de suor, máquina e fuligem,

e ao fim dos trabalhos e dias

voltam às casas simples, resignados.” 

- Por que lê isso? O que o deixa tão nostálgico?

- Leio porque não consigo mais enxergar o porvir desses bravos brasileiros, excluídos do direito à felicidade nesta Nação madrasta.

André Freitas Barboza, da cidade paulista de Jundiaí, também resumiu em seu poema o quão áspera e triste é a vida de grande parcela da população brasileira.

Comente!

 
Últimos artigos deste colunista
« ver todos
 
Colunistas

Página Principal | Notícias | Entretenimento
SIGA O VARGINHA ONLINE Curta a Página do VOL no Facebook Siga o VOL no Twitter Fale conosco
Expediente | Privacidade | Entre em Contato | Anuncie no Varginha Online

Todos os direitos reservados 2000 - 2021 - Varginha Online - IPHosting- Hospedagem de Sites (Parceiro Varginha Online)