Coluna | Viver Consciente
Willes S. Geaquinto
Psicoterapeuta Holístico, Consultor e Palestrante Motivacional, Escritor - Autor dos livros "Cidadania, O Direito de Ser Feliz” e Autoestima – Afetividade e Transformação Existencial

Interatividade: Os textos desta coluna expressam apenas a opinião do autor sobre os assuntos tratados, caso o leitor discorde de algum ponto ou, até mesmo, queira propor algum tema para futura reflexão, fique a vontade para comentar ou fazer a sua sugestão.

Site: www.viverconsciente.com.br
Quem São os Seus Amigos?(II)
19/05/2011
Além dos tipos de amizades negativas que mencionei no texto anterior poderia listar outros tantos, como, por exemplo, aqueles que quando alguém está indo bem na vida parecem sentir-se incomodados e, por isso, tratam logo de desqualificar a pessoa. Há também aqueles outros que quando alguém está tendo alguma dificuldade em um relacionamento, ajudam a aumentá-la com fofocas ou outros expedientes, com o intuito de garanti-lo como integrante do time deles, o time dos coitadinhos ou infelizes. Quem tem amigos desse quilate, com certeza não precisa de inimigos.

Dentro desse tema, gostaria ainda de mencionar algo sobre aquelas pessoas que estão tentando abandonar algum tipo de vício, já que, às vezes, a maior dificuldade do dependente é justamente o convívio com aqueles que se dizem amigos; são eles e, circunstancialmente, alguns membros da própria família, os maiores boicotadores de muitos processos de recuperação.

Para que ninguém pense que esta é uma reflexão aleatória, acrescento que desde 2002, membros da comunidade científica americana, depois de diversas pesquisas, começaram a chamar a atenção para o tema das amizades. Se por um lado foi constatado que quem tem boas amizades sofre menos de estresse, recupera-se mais rapidamente de ataques cardíacos e tem maior probabilidade de uma vida longa do que as pessoas que não têm amigos. Por outro, os estudos concluíram, também, que nem todos os amigos têm efeito saudável sobre a vida das pessoas que se relacionam com eles.

A psicóloga americana Harriet Lerner, autora de um livro não editado no Brasil, chamado “A dança da Conexão”, diz que: “Algumas amizades são muitas vezes penosas. Em uma amizade estreita e duradoura, ciúmes, inveja, raiva e toda uma gama de emoções difíceis tendem a surgir. É preciso decidir se a melhor coisa é considerá-las como fenômeno passageiro, ou determinar que façam mal à saúde e desistir da amizade”. Outro estudioso do assunto, o sociólogo americano Jan Yager, autor do livro, “Quando a Amizade Machuca”, aconselha categoricamente a abandonar os maus amigos. Diz ele que: “mesmo existindo o mito de que amizades deveriam durar para sempre, se elas não causam bem estar devem acabar”.

Bem, embora este assunto seja vasto, e comporte muitas outras interpretações e enfoques, creio que o melhor a fazer é analisar que tipo de amizade lhe é mais saudável, e, a partir daí, redefinir sua postura diante dos amigos que já tem e os que ainda você terá. Por outro lado, não é aconselhável radicalizar nessas escolhas, achar que bons amigos são aqueles que são submissos ou perfeitos. Por que aí, você é que estará investido da postura de um amigo negativo. A boa amizade importa sempre em trocas positivas, em boas parcerias e em atitudes que demonstrem afeto e respeito mútuos.

Boa Reflexão e viva consciente.

Comente!

 
Últimos artigos deste colunista
10/01/2022 | Não olhe para cima
29/07/2020 | Ser alegre
« ver todos
 
Colunistas

Página Principal | Notícias | Entretenimento
SIGA O VARGINHA ONLINE Curta a Página do VOL no Facebook Siga o VOL no Twitter Fale conosco
Expediente | Privacidade | Entre em Contato | Anuncie no Varginha Online

Todos os direitos reservados 2000 - 2021 - Varginha Online - IPHosting- Hospedagem de Sites (Parceiro Varginha Online)